sexta-feira, 2 de maio de 2008

Anselm Jappe

Hoje sai a minha maior foto até à data no DN. Nas centrais, no especial. Atenção que o que determina o tamanho das fotos não é a sua qualidade, ou seja, não é nada de extraordinário enquanto foto. Acontece que o tema mereceu destaque e a foto foi por arrasto. Também importa dizer que fiz as fotos na minha segunda semana lá. Na altura nunca se sabe muito bem o que pode dar. Devido à demora em sair, cheguei até a pensar que já tinha saltado de vez. Foram as fotos da minha primeira entrevista sozinha (e única até agora) lá.

Ler aqui.

Não foi nada fácil. O filósofo falava francês (eu não). Não gostava de fotos e não parecia fazer um esforço para gostar ou colaborar. Quando eu clicava no botão e soava o click, ele olhava para mim, eu sorria muito simpaticamente mas ele não. Fui buscar o livro que aparece na foto (o seu último livro) para que no fim da entrevista lhe pudesse tirar umas fotos. Coloquei-o em cima da mesa e decidi começar por tirar também durante a entrevista, até que ele, estrategicamente, o arruma para um canto da mesa, em cima das páginas amarelas. Uma forma subtil de me dizer para parar. Não tive coragem de lhe pedir para posar para mim com o livro na mão, depois da entrevista.

Esta foi a fotografia escolhida pelo editor. Confesso que ainda não consigo escolher uma fotografia para resumir e falar por todas as outras, principalmente quando se trata das que eu tiro.



O curioso também é o facto de ter tido dúvidas em seleccionar esta foto para mostrar. Tinha receio de parecer que ele estava com dor de cabeça ou algo desse género. Mas acho que até comunica bem com o título e com a forma como as páginas estão desenhadas.

Fiquei bastante desiludida quando vi o jornal impresso. Parece que ele tem uma doença de pele. Espero que não tenha acontecido em todos os exemplares. Está com uma cor tão estranha :(

4 comentários:

S.Y.Rodrigues - disse...

Haha, coitado do senhor!
Mas até acho que a fotografia faz juízo a todo o contexto e revela carácter - capta a essência do filósofo como ser pensante - e o livro como o portal para os seus pensamentos!

Only Words disse...

Olá Sara, deixa-me, em primeiro lugar, felicitar-te pela publicação da foto. É bom sentir a tua exigência profissional e ler os teus “medos”. Faz-me recuar no tempo, porque também eu já passei pelo mesmo, embora não seja, infelizmente, fotógrafa. Quando somos exigentes queremos sempre fazer mais e melhor, o que é de salutar. Quanto a esta imagem, e depois das dificuldades de comunicação que mencionaste, acho que foi bem concebida. Não é uma excelente fotografia, mas é uma boa imagem para o tema e o personagem em si. Nunca deixas de acreditar e continua assim, exigente!

silvia disse...

Deve ser assustador fotografar alguém que nos envia mensagens subliminares através das páginas amarelas... mesmo assim acho que apanhaste a essência da coisa. O sr parece refletir sobre esta sociedade desfragmentada, onde estão todos demasiado ocupados para novas revoluções!

Serjones disse...

posso imaginar a sua situação! hahaha - o bom é que se ele pedisse pra vc parar em francês, vc tinha a desculpa de que não estava entendendo!