sábado, 3 de maio de 2008

praxes e anti-praxes

Praxes. As minhas até foram boas. Foi uma semana porreira mas cansativa. Joguinhos aqui e ali. Não foram violentas.
Eu nunca praxei. No segundo ano ainda tive a febre de querer comprar o traje e participar a sério naquilo. Mas o traje estava esgotado e desisti disso.

Mas acredito que haja sítios onde as praxes sejam violentas. Onde as pessoas saiam magoadas, física e/ou psicologicamente. Acho que são episódios que devem ser condenados. A praxe só faz sentido se servir para a integração dos novos alunos. Não deve servir, no meu entender, para evidenciar a suposta supremacia dos mais velhos. Para humilhar ou magoar.

Isto a propósito do texto da Fernanda Câncio.

5 comentários:

S.Y.Rodrigues - disse...

as praxes para mim sempre foi algo que simplesmente grita: "tão a ver como isto até é giro...eu cá até acho que não é, mas deve ser!" - comenta o pobre rebanho académico sado-masoquista, então e porque não?! Integridade, que é isso? Então, não percebem? É para entrar no espírito!....ya pois!!

Anónimo disse...

nunca gostei de praxes.Fui praxada duas vezes... quem mandou mudar de curso... sempre senti que a maioria sentia a praxe como uma oportunidade para se vingar, para ficar por cima dos outros.... talvez aqui se veja,um pouco daquilo que há de errado na humanidade...um pouco do medievalismo humano...
Cátia

silvia disse...

Pelo que dá para ver, gosto bastante da foto. Quanto à praxe, não aprecio. Um bando de "veteranos" a berrar coisas sem nexo e dezenas de miúdos pintados a ouvir e a obedecer, desejosos de pertencer ao mesmo grupo para o ano que vem... Desde que não seja violenta não sou contra, mas realmente acredito qua haja formas bem mais divertidas para a integração.

Serjones disse...

o que seria uma praxe?

Sara M. disse...

bem vindo serjones,
praxe é um genero de "ritual" que é feito tdos os anos nas universidades, no inicio do ano lectivo. nao sei como se chama no brasil. ca, os alunos do 1ºano, os caloiros, sao alvo de algumas "provas", brincadeiras, jogos, etc comandados pelos mais velhos.

às vezes sao conhecidos casos, atraves da comunicaçao social, de alunos q sao mais mal tratados nessas praxes e humilhados.